Segunda-feira
09 de Dezembro de 2019 - 
TRADIÇÃO DESDE 1987.
ADVOCACIA CÍVEL, TRABALHISTA, CONSUMIDOR E CRIMINAL
CONSULTE-NOS SEM QUALQUER COMPROMISSO
ADVOCACIA CONSULTIVA E CONTENCIOSA

Rejeitada queixa-crime de jornalista contra ex-deputado federal Cícero de Almeida

Por unanimidade, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou, nesta terça-feira (19), queixa-crime apresentada por um jornalista contra o ex-deputado federal Cícero de Almeida (PHS-AL) pela suposta prática dos crimes de calúnia, injúria e difamação em razão de comentários proferidos em um programa de rádio. A decisão se deu no julgamento da Petição (PET) 7308. Segundo o entendimento do relator, ministro Gilmar Mendes, as declarações estão abrangidas pela imunidade parlamentar, pois se relacionam ao exercício do mandato. Na queixa-crime, o radialista Fernando Araújo Filho afirmava que o então deputado o havia caluniado, ao acusá-lo de praticar o crime de extorsão; difamado, chamando-o de “jabazeiro”, “vigarista” e “mafioso”; e injuriado, sugerindo que seria homossexual. Segundo Fernando, as ofensas foram retaliações ao teor de reportagem publicada no jornal do qual é editor-chefe, a qual informa que o Supremo teria determinado novas investigações contra o ex-parlamentar. Inicialmente, o ministro Gilmar Mendes informou que Almeida não exerce mais mandato parlamentar. Contudo, afirmou que o caso se enquadra nas hipóteses de prorrogação de competência do STF para o processamento da ação, tendo em vista que a queixa-crime se encontra pronta para o juízo de admissibilidade. Segundo o relator, a imunidade material dos parlamentares (artigo 53 da Constituição Federal) exclui a ilicitude dentro ou fora do recinto da casa legislativa, desde que o tema das manifestações do deputado tenha conexão com o exercício do mandato. Portanto, abrange também declarações feitas aos meios de comunicação social vinculadas ao desempenho do cargo. Ao analisar as declarações de Almeida na entrevista, Gilmar Mendes assinalou que, ainda que sejam condenáveis sob o ponto de vista moral e possam ser objeto de responsabilização política, o seu conteúdo está intimamente ligado ao mandato parlamentar e, portanto, está abrangido pela imunidade. De acordo com a transcrição das declarações lida pelo relator, o então deputado fez expressa referência ao conteúdo da reportagem publicada pelo jornalista. “A matéria, embora diga respeito a condutas imputadas ao deputado em sua gestão como prefeito de Maceió, traz menção ao exercício do mandato de deputado federal”, disse o ministro. Ele observou ainda que Cícero Almeida, durante o programa de rádio, afirmou que sua declaração era destinada aos seus eleitores alagoanos, de quem seria empregado, o que, para Mendes, “demonstra o viés político da polêmica”.
19/11/2019 (00:00)
Visitas no site:  47566
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.